Informação mais recente

Comunicado da FNAM: consultar aqui

terça-feira, 05 maio 2020 16:25 Publicado em Outra informação

P'ró que der e vier (*) por RA

Os gráficos aqui partilhados resultam de dados oficiais sobre a covid-19 recolhidos da Worldometers.

São formas de apresentação facilitadoras da observação, não são previsões mas por vezes mostrem tendências.

Os breves comentários procuram ser objetivos e são p’ró que der e vier. Eis os do dia 5 de maio de 2020 cerca das 14h00

A letalidade dos países selecionados

Letalidade não é o mesmo que mortalidade – alguns casos confirmados incluídos neste gráfico podem vir a terminar em mortes mais tarde.

Apenas dá para ver a proporção entre óbitos e casos até agora.

________________________________________________________________________________

Os óbitos por milhão de habitantes, até hoje 

Este valor permite comparar países tendo em conta a sua dimensão populacional.

____________________________________________________________________________

 

Evolução dos totais de casos registados por milhão de habitantes  

O grupo dos 5 europeus à direita mostra que, neste aspeto, a propagação é bastante comparável.

_________________________________________________________________________________________________________

Continua a tendência, em alguns países, para uma redução de casos “ativos”, enquanto o Reino Unido continua a destacar-se pela subida íngreme.

______________________________________________________________________________________________________________

Olhando só para Portugal, a Alemanha e a Itália, a evolução do número de “ativos” continua a mostrar curvas com formas diferentes. 

De notar que estes valores não estão ajustados à dimensão populacional.

____________________________________________________________________________________________

Contudo, se utilizarmos os dados populacionais disponíveis (aqui), as diferenças entre “ativos”, hoje, são surpreendentes.

_____________________________________________________________________________________________

Juntando os dados mundiais, vê-se que os “ativos” crescem sempre mas não aceleram

                                  “Calma aí … Distância 2M Dois Metros - Gráfico vetorial grátis no Pixabay … a distância é para manter!”

(*) “P'ró que der e vier” é uma música de Fausto Bordalo Dias

 

Hoje o Sindicato dos Médicos do Norte participa, como convidado, na acção preparada pela CGTP para comemorar o 1 de Maio. Esta acção foi planeada com todo o cuidado e em colaboração com as autoridades respectivas. O número de participantes foi limitado e estes foram devidamente credenciados, além do cumprimento estrito do distanciamento social. Cumulativamente, a CGTP excedeu as condições impostas pelas autoridades de saúde, e distribuiu máscaras, atitude com a qual concordámos plenamente, como médicos.

Entendemos que a nossa participação é simbólica. Estamos a representar muitos colegas, que certamente gostariam de estar presentes, mas estão a trabalhar neste feriado 1 de Maio, na linha da frente a combater a pandemia a COVID. Representar e defender os trabalhadores médicos, é defender os doentes e o SERVIÇO Nacional de Saúde.

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
quarta-feira, 29 abril 2020 16:03 Publicado em Artigos de opinião

Nem que seja à terceira! - artigo de Jorge Almeida

Face aos resultados obtidos até hoje no combate sanitário ao COVID-19, todos concordaremos que a primeira batalha foi ganha. Conseguimos conter a epidemia trazendo o número mágico R0 (tradutor da contagiosidade do vírus) de um valor superior a 2 para próximo de 1, mantendo uma taxa de ocupação de camas em cuidados intensivos de cerca de 50%.

Atendendo à agressividade do agente em causa, traduzida na elevada morbimortalidade observada em países vizinhos, temiam-se resultados idênticos entre nós. Porém, a sagacidade da inteligência científica nacional e a pronta resposta política, aliadas e essa espécie de general Wellington que é o nosso Serviço Nacional de Saúde, souberam encontrar a estratégia e as respostas, mais adequadas a levar de vencida o inimigo nesta primeira refrega.

Porém, tenhamos a noção que ganhámos a batalha, mas ainda não a guerra. O inimigo continua por aí e se lhe dermos o flanco pode voltar a atacar em força. Para o evitar, temos de saber conciliar as medidas de isolamento social e a necessidade de abertura para nos refazermos economicamente, mantendo o Serviço Nacional de Saúde preparado para o que der e vier.

Não sabemos se estamos no rescaldo da primeira ou se travámos vitoriosos a última batalha, sabemos sim da nossa determinação em vencer a guerra, nem que seja à terceira como diz o Povo.

Jorge Almeida  

Médico Cardiologista

quarta-feira, 29 abril 2020 15:10 Publicado em Outra informação

Common Motion on SARS-CoV-2 (COVID-19) Outbreak

Consultar documento em anexo

Pesquisar por texto

Informação por datas

« Outubro 2018 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31        
 
 
 

EU privacy directive