Informação mais recente

Sempre me sensibilizaram os monumentos erguidos em nome do soldado desconhecido, vítima anónima de uma qualquer guerra mundial. Mais que estátuas que homenageiam políticos e chefes militares, toca-me o reconhecimento conferido às vítimas diretas de um conflito para o qual não foram ouvidas nem achadas.

Estou certo de que irão ser propostas homenagens às vítimas da atual epidemia Covid-19. Com toda a justiça, uns clamarão: aos profissionais de saúde; aos políticos que delinearem a estratégia de combate à epidemia; aos idosos, grupo etário mais vitimado … outros, mais ciosos, irão pôr-se bico de pé exigindo o lugar de “primus inter pares”.

Face ao tamanho e relevância dos eleitos, receio que ninguém se lembre de propor que seja erigido um monumento à vítima desconhecida prestando o devido tributo a todos, incluindo aos trabalhadores das profissões menos reconhecidas.

Bem sei que é cedo para o fazer, mas, para que conste, fica a proposta feita.

Jorge Almeida, médico Cardiologista

sexta-feira, 22 maio 2020 11:19 Publicado em Concursos

Procedimento Concursal AG Sénior de Otorrinolaringologia

Aviso n.º 8030/2020 - Diário da República n.º 100/2020, Série II de 2020-05-22 134210152

Centro Hospitalar Universitário de São João, E. P. E.

Abertura de procedimento concursal comum para assistente graduado sénior de otorrinolaringologia

sábado, 16 maio 2020 14:13 Publicado em Artigos de opinião

A peste - artigo de Jorge Almeida

Além da oportunidade de apreciar a arte literária de um dos maiores escritores do pós-guerra, valerá a pena ler ou reler a Peste de Camus?

No auge da devastação Covid-19 li, algures, ser este um dos romances mais procurado em Itália. Lembrava-me de o ter lido há muitos anos, mas pouco ou nada restava na memória para além da impressão de ser um pouco “seca”. Seria mesmo ou não teria apreciado devidamente a obra por pouca maturidade? Curioso, procurei o livro na minha “lixeira” literária e reli-o em plena ascensão da epidemia entre nós.

Não vou discutir o estilo de escrita, não porque não gostasse de ter o saber para tanto mas, sem falsa modéstia, por reconhecida incompetência. Limito-me a dizer em abono que aprecio a escrita depurada: frase curta e incisiva, poupada em adjetivos e em figuras de estilo.

Quanto à riqueza na caracterização das personagens, comportamento humano e  pano de fundo emocional em que se movimentam, o livro mantém toda a atualidade: A densidade humana da figura central do romance, o médico que, do principio ao fim se entrega sem hesitações ao tratamento dos doentes,  procurando soluções para pôr cobro a uma epidemia inclemente; o oportunismo do agiota que, mesmo quando tudo vai ruindo à sua volta, não para de enriquecer à custa da miséria alheia; a hesitação do “estrangeiro” que se debate entre a fuga hedónica e o sentido do dever, decidindo ficar para dar corpo à luta contra o flagelo.

Mesmo a incerteza do tempo que hoje vivemos, será que já nos livrámos do “bicho” ou tudo não passa de falsa trégua, está bem retratada nesta obra intemporal.

Leiamos pois a Peste de Camus.

 Jorge Almeida

Pesquisar por texto

Informação por datas

« Agosto 2020 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31            
 
 
 

EU privacy directive