Artigos em destaque

sexta-feira, 19 fevereiro 2021 14:50 Publicado em Artigos de opinião

Vacinacao: artigo de opinião de Jorge Almeida

Não, não me esqueci da cedilha. O mundo da vacina Covid é que tomou forma de mundo cão. Enquanto alguns países regurgitam vacinas, caso do Canadá que assegurou a compra de 400 milhões de unidades

para uma população que ronda os 40 milhões, os da União Europeia não vão poder cumprir o plano vacinal delineado por incumprimento contratual das farmacêuticas do nosso hemisfério e, os do costume,

não sabem ainda se/quando irão ter vacinas.

(ver o artigo, na íntegra, em documento anexo)

domingo, 14 fevereiro 2021 21:03 Publicado em Artigos de opinião

Ainda que mal pergunte !... : por Rosalvo Almeida

Então, ele virou-se para mim e disse-me assim:

– Tens visto os telejornais? Não achas estranho os doentes aceitarem tão facilmente ser filmados a mostrar os seus sofrimentos e emoções?

– Acho! Mas estou certo de que os jornalistas pedem autorização para os filmarem e para aparecerem na TV.

– E isso basta?

– Parece-me que não, mas que queres? É o que está a dar…

– E não podemos fazer nada?

– Nós, eu e tu, não podemos fazer nada. Talvez indignarmo-nos nas redes sociais ou participar em fóruns das telefonias sem fios, sei lá!

– Cá para mim, os profissionais de saúde, nas suas unidades de internamento, nem percebem que podem desempenhar um papel na moderação dos jornalistas.

– Os jornalistas, sedentos de casos, têm artes de ultrapassar as barreiras que encontram e os doentes e seus familiares estão também sedentos de fama.

– E não podemos fazer nada?

– Talvez as comissões de ética das instituições possam sair da sua passividade. Talvez possam trabalhar junto dos seus profissionais de saúde no sentido de lhes lembrar as suas responsabilidades éticas nesta matéria. Há que lhes fazer ver que,

se um jornalista pretende gravar um depoimento de um doente, os médicos e os enfermeiros podem (e devem) aconselhar moderação e lembrar as vantagens da confidencialidade. Afinal receberem mensagens a dizer que os viram na TV não compensa

o sossego perdido nem as insinuações de exibicionismo fácil.

– Parcimónia? O que isso? És muito ingénuo!

– Achas?

Informação Jurídica

Ver o documento anexo

Dobrámos mais uma vez a espinha. Não sei o que sente hoje o cidadão comum, mas, como médico a trabalhar há 43 anos no Serviço Nacional de Saúde, sinto vergonha e indignação pela forma como o País abordou a segunda fase da pandemia.

À unidade, determinação e capacidade de antecipação, da primeira fase, seguiu-se o deslumbramento e o desleixo autocontemplativo. Poder político e estruturas da sociedade civil, tão céleres a responder inicialmente, deixaram-se adormecer na

expectativa de que o vírus desaparecesse ou se ficasse por outras paragens.

(ver artigo, na íntegra, em anexo)

Este é o seu testemunho, que é também um alerta e um gesto de reconhecimento.

(ler a entrevista em: https://www.publico.pt/2021/01/29/sociedade/noticia/noticias-tunel-1947979)

 

 

A progressão rápida e descontrolada da epidemia Covid obriga a que, uma vez mais, a Saúde se imponha à Economia.

Está decidido, fecham-se também as escolas arrostando a sociedade com todas as consequências negativas para alunos,

famílias e danos colaterais associados a uma medida drástica, mas necessária, para “meter o vírus na ordem”.

(ver o artigo, na íntegra, em anexo)

quinta-feira, 21 janeiro 2021 10:54 Publicado em Informação sindical

O SMN e a pandemia

A progressão avassaladora da epidemia Covid em Portugal, exige que todos nós, individualmente
ou de forma organizada, procuremos soluções no sentido de conter a evolução da infeção,
minimizando as consequências sobre a saúde e bem-estar das populações.
Ao longo dos meses da pandemia temos feito esforços para conseguir conciliar o acesso aos
cuidados de saúde para todos os doentes, mas na fase que atualmente vivemos não será possível
evitar o esgotamento de recursos se não for conseguido um melhor controlo da propagação do vírus
na sociedade.
Todos os esforços devem ser feitos nesse sentido sabendo que será fundamental esse controlo para
evitarmos um novo confinamento geral para os próximos tempos.
É fundamental que haja a nível nacional, regional e local, a nível político, social e individual, uma
elevada consciência, atitudes e comportamentos que sejam coerentes, colaborativos e adequados à
situação complexa que vivemos, do ponto de vista epidemiológico e de saúde, social, económico e
cultural.
O Sindicato dos Médicos do Norte, (ver o documento, na íntegra, em anexo)

A pandemia está descontrolada a nível mundial. Nuns países mais que noutros, é certo, mas, globalmente, o vírus continua indomável. O País não escapa à regra, os serviços de saúde estão no limite da capacidade sendo as ameaças de rotura constantes.

Esgrimem-se erros e justificações, com pouco proveito no combate a um inimigo resiliente e decidido a viver custe o que custar.

(ver o doc. na íntegra, em anexo)

Pesquisar por texto

Informação por datas

« Maio 2020 »
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31
 
 
 

EU privacy directive