Santana Maia assinaria a carta aberta dos bastonários? Opinião de Rosalvo Almeida

domingo, 18 outubro 2020 11:33

Santana Maia assinaria a carta aberta dos bastonários?
Julgo que não.
Quando, em 1993, o Dr. Santana Maia (1936-2012) tomou posse como bastonário da
Ordem dos Médicos foi uma surpresa geral. Não era cirurgião, não era professor, não
era de Lisboa. Tinha um passado de militância democrática e de participação cívica
multifacetada. Com António Arnaut, tinha o seu nome ligado à fundação do Serviço
Nacional de Saúde.
Se ainda vivesse, creio que não juntaria o seu nome à tese de que foi errada a resposta
firme à expansão da pandemia em março, abril e maio, pese embora os custos.
Provavelmente subscreveria as palavras finais dessa carta – «É o momento de reforçar
a capacidade de resposta da saúde pública, dos cuidados de saúde primários, da
saúde ocupacional, da medicina hospitalar, e de reforçar o acesso à saúde nas zonas
mais carenciadas. É o momento de concretizar a verdadeira transformação digital na
medicina à distância com respeito pela sua essência mas valorizando sempre a relação
humana médico-doente. É o momento de integrar a saúde e a segurança social nos
lares para melhor proteger os nossos idosos. É o momento do SNS unir os
portugueses. Não podemos voltar a deixar alguém ficar para trás.»
Mas certamente acrescentaria: Pode contar connosco para isso!

Rosalvo Almeida

 
 
 

EU privacy directive