“um vírus relativamente bonzinho” - artigo de Jorge Almeida

quarta-feira, 22 abril 2020 11:03

Começo por fazer a declaração de interesses: tenho 68 anos, sou médico cardiologista no ativo e farei tudo o que estiver ao meu alcance para não contagiar nem ser contagiado pelo Covid-19. Não consinto, porém, que este tudo me impeça de manter uma vida familiar, social e profissional dignas de um ser humano. Em trabalho exclusivo no SNS, tinha estabelecido os 70 anos como idade limite de atividade profissional, decisão que mantenho sejam quais forem as consequências e a evolução temporal da epidemia que nos aflige.

Estando na fronteira dos setenta anos, sinto-me dividido quanto à decisão que se anuncia de confinamento obrigatório dos mais velhos até ao aparecimento de uma vacina segura ou à descoberta de terapêuticas eficazes no combate à infeção por Covid-19. Sendo certo que é este o grupo de maior risco de mortalidade e o que mais sobrecarrega as unidades de cuidados intensivos, é, também, o mais ávido em reatar a vida relacional por saber que o tempo de vida que lhe resta é um bem precioso que escasseia.

Concordo que a necessidade de proteger os mais idosos não pode "estagnar" a vida dos mais jovens, como diz a investigadora Maria Manuela Mota em entrevista ao Expresso. Não me parece, porém, aceitável que para garantir o futuro dos mais novos se imponha o isolamento social dos mais velhos. Há nesta problemática um conflito de interesses geracional, digamos assim, que para ser dirimido requer soluções de compromisso.

Jorge Almeida

Médico Cardiologista

 
 
 

EU privacy directive