Daniel Marchalik, Dmitriy Petrov - The Lancet

ver atigo completo em anexo

Marcin Chwistek, MD, Supportive Oncology and Palliative Care Program I, Fox Chase Cancer Center, Philadelphia, Pennsylvania
JAMA. Publicado online em 25 de junho de 2020. / doi:10.1001/jama.2020.10619 / “Are You Wearing Your White Coat?” ?

Ver artigo completo em anexo

Nesta discriminação sem sentido entre nações europeias, a Dinamarca deu o pontapé de saída: Podem entrar todos menos Suecos e Portugueses. Dado o mote, outros tantos países houve que lhe seguiram a peugada entre os quais, espanto dos espantos, a nossa velha e incondicional histórica aliada e, há que dizê-lo, mais que todos infetada.

Mesmo sabendo da impossibilidade de conter a vinda de turistas da Grã-Bretanha via Espanha, ou talvez por o saber, o governo de Boris Johnson decidiu juntar-se ao coro dos estigmatizantes. É caso para dizer, não fosse a forte crise que atravessa a indústria do Turismo, estaríamos gratos ao preclaro primeiro-ministro Inglês pela tentativa de nos pôr a salvo de visitantes do país europeu com maior número de mortos e de internados em cuidados intensivos pelo Covid-19.

O problema é que, Algarve em especial, estamos mesmo necessitados de visitantes estrangeiros que nos ajudem a reabilitar a hotelaria e indústrias associadas. Ou, para ser mais claro, precisados de divisas que ajudem a mitigar a enorme crise económico-financeira em que, sem mais culpa que os demais, nos vimos mergulhados.

Dito isto e porque já ninguém nos livra do estigma de “feios, porcos e maus” fica o desafio ao Governo: E se, numa atitude de discriminação positiva, convidássemos especificamente os Suecos a vir visitar-nos neste verão?

 

Jorge Almeida, Porto

 

 

 

 

Sempre me sensibilizaram os monumentos erguidos em nome do soldado desconhecido, vítima anónima de uma qualquer guerra mundial. Mais que estátuas que homenageiam políticos e chefes militares, toca-me o reconhecimento conferido às vítimas diretas de um conflito para o qual não foram ouvidas nem achadas.

Estou certo de que irão ser propostas homenagens às vítimas da atual epidemia Covid-19. Com toda a justiça, uns clamarão: aos profissionais de saúde; aos políticos que delinearem a estratégia de combate à epidemia; aos idosos, grupo etário mais vitimado … outros, mais ciosos, irão pôr-se bico de pé exigindo o lugar de “primus inter pares”.

Face ao tamanho e relevância dos eleitos, receio que ninguém se lembre de propor que seja erigido um monumento à vítima desconhecida prestando o devido tributo a todos, incluindo aos trabalhadores das profissões menos reconhecidas.

Bem sei que é cedo para o fazer, mas, para que conste, fica a proposta feita.

Jorge Almeida, médico Cardiologista

sábado, 16 maio 2020 14:13 Publicado em Artigos de opinião

A peste - artigo de Jorge Almeida

Além da oportunidade de apreciar a arte literária de um dos maiores escritores do pós-guerra, valerá a pena ler ou reler a Peste de Camus?

No auge da devastação Covid-19 li, algures, ser este um dos romances mais procurado em Itália. Lembrava-me de o ter lido há muitos anos, mas pouco ou nada restava na memória para além da impressão de ser um pouco “seca”. Seria mesmo ou não teria apreciado devidamente a obra por pouca maturidade? Curioso, procurei o livro na minha “lixeira” literária e reli-o em plena ascensão da epidemia entre nós.

Não vou discutir o estilo de escrita, não porque não gostasse de ter o saber para tanto mas, sem falsa modéstia, por reconhecida incompetência. Limito-me a dizer em abono que aprecio a escrita depurada: frase curta e incisiva, poupada em adjetivos e em figuras de estilo.

Quanto à riqueza na caracterização das personagens, comportamento humano e  pano de fundo emocional em que se movimentam, o livro mantém toda a atualidade: A densidade humana da figura central do romance, o médico que, do principio ao fim se entrega sem hesitações ao tratamento dos doentes,  procurando soluções para pôr cobro a uma epidemia inclemente; o oportunismo do agiota que, mesmo quando tudo vai ruindo à sua volta, não para de enriquecer à custa da miséria alheia; a hesitação do “estrangeiro” que se debate entre a fuga hedónica e o sentido do dever, decidindo ficar para dar corpo à luta contra o flagelo.

Mesmo a incerteza do tempo que hoje vivemos, será que já nos livrámos do “bicho” ou tudo não passa de falsa trégua, está bem retratada nesta obra intemporal.

Leiamos pois a Peste de Camus.

 Jorge Almeida

quarta-feira, 06 maio 2020 14:39 Publicado em Artigos de opinião

Não ao tremendismo! artigo de Jorge Almeida

Dizia-me o doente temeroso: Posso mandar o resultado do exame em pdf mas ao Hospital não
vou!
Pergunta-se, a quem serve o tremendismo? Assustam-se as pessoas com o perigo do Covid
clamando: adiem-se consultas, cirurgias e exames que não sejam absolutamente necessários
para nos concentramos no combate ao Covid! Face à devastação causada pela epidemia
noutros países, utentes e profissionais de Saúde entendem a premência respondendo com
prontidão e sucesso (diga-se) à mensagem, cumprindo com rigor o que lhes foi pedido. Findo o
período crítico, alerta-se: estão a morrer doentes com outras patologias por deixarem de ser
atendidos nos serviços de saúde, avisa-se para que regressem prontamente para lhes ser
prestada a assistência devida …
Claro está que o cidadão se há de sentir como o tolo no meio da ponte. E vou onde, como e
quando e com que segurança? Os profissionais, não menos assustados, interrogam-se: Como
vou observar e tratar os meus doentes com segurança?
Todos, doentes e profissionais de saúde, já perceberam que vivemos tempos novos. Que há
que encontrar novas formas de nos cuidarmos agora e no futuro. São tempos de incerteza que
requerem ponderação e diálogo tendo em vista encontrar as melhores soluções em Saúde. Há
que ter a noção que atitudes e discursos bipolares só servem para paralisar e gerar
comportamentos irracionais.

Jorge Almeida
Médico Cardiologista

quarta-feira, 29 abril 2020 16:03 Publicado em Artigos de opinião

Nem que seja à terceira! - artigo de Jorge Almeida

Face aos resultados obtidos até hoje no combate sanitário ao COVID-19, todos concordaremos que a primeira batalha foi ganha. Conseguimos conter a epidemia trazendo o número mágico R0 (tradutor da contagiosidade do vírus) de um valor superior a 2 para próximo de 1, mantendo uma taxa de ocupação de camas em cuidados intensivos de cerca de 50%.

Atendendo à agressividade do agente em causa, traduzida na elevada morbimortalidade observada em países vizinhos, temiam-se resultados idênticos entre nós. Porém, a sagacidade da inteligência científica nacional e a pronta resposta política, aliadas e essa espécie de general Wellington que é o nosso Serviço Nacional de Saúde, souberam encontrar a estratégia e as respostas, mais adequadas a levar de vencida o inimigo nesta primeira refrega.

Porém, tenhamos a noção que ganhámos a batalha, mas ainda não a guerra. O inimigo continua por aí e se lhe dermos o flanco pode voltar a atacar em força. Para o evitar, temos de saber conciliar as medidas de isolamento social e a necessidade de abertura para nos refazermos economicamente, mantendo o Serviço Nacional de Saúde preparado para o que der e vier.

Não sabemos se estamos no rescaldo da primeira ou se travámos vitoriosos a última batalha, sabemos sim da nossa determinação em vencer a guerra, nem que seja à terceira como diz o Povo.

Jorge Almeida  

Médico Cardiologista

Começo por fazer a declaração de interesses: tenho 68 anos, sou médico cardiologista no ativo e farei tudo o que estiver ao meu alcance para não contagiar nem ser contagiado pelo Covid-19. Não consinto, porém, que este tudo me impeça de manter uma vida familiar, social e profissional dignas de um ser humano. Em trabalho exclusivo no SNS, tinha estabelecido os 70 anos como idade limite de atividade profissional, decisão que mantenho sejam quais forem as consequências e a evolução temporal da epidemia que nos aflige.

Estando na fronteira dos setenta anos, sinto-me dividido quanto à decisão que se anuncia de confinamento obrigatório dos mais velhos até ao aparecimento de uma vacina segura ou à descoberta de terapêuticas eficazes no combate à infeção por Covid-19. Sendo certo que é este o grupo de maior risco de mortalidade e o que mais sobrecarrega as unidades de cuidados intensivos, é, também, o mais ávido em reatar a vida relacional por saber que o tempo de vida que lhe resta é um bem precioso que escasseia.

Concordo que a necessidade de proteger os mais idosos não pode "estagnar" a vida dos mais jovens, como diz a investigadora Maria Manuela Mota em entrevista ao Expresso. Não me parece, porém, aceitável que para garantir o futuro dos mais novos se imponha o isolamento social dos mais velhos. Há nesta problemática um conflito de interesses geracional, digamos assim, que para ser dirimido requer soluções de compromisso.

Jorge Almeida

Médico Cardiologista

A Secção Regional do Norte da Ordem dos Médicos juntamente com a Câmara Municipal do Porto, tomaram a iniciativa de transformar o Palácio de Cristal num hospital de campanha para receber doentes Covid em fase de convalescença ou casos não complicados sem indicação para internamento hospitalar. O staff de apoio seria garantido, essencialmente, em regime de voluntariado embora, pela natureza dos doentes internados, implicasse uma logística de comando que teria de ser assegurada por uma equipe treinada no tratamento e na prevenção de risco de transmissão de infeção do vírus em causa. A iniciativa pareceu-me positiva e com pernas para andar, pois permitiria aos hospitais dar alta mais precoce a doentes em convalescença, mas ainda “contagiantes” e aliviar a carga social ao receber casos menos graves de infeção, embora sem condições para tratamento domiciliar ou em lar da terceira-idade.

(Ler o artigo completo no documento anexo)

terça-feira, 21 abril 2020 18:29 Publicado em Artigos de opinião

Não à epidemia do medo - artigo de Jorge Almeida

Dizem que anda por aí um andaço! Na aldeia vizinha só ontem foram cinco a enterrar. Na cidade os sinos não param de tocar a finados!

Era assim que num passado não muito distante se anunciavam as grandes epidemias como a que hoje estamos a viver

Ver o artigo completo no documento anexo

segunda-feira, 20 abril 2020 18:39 Publicado em Artigos de opinião

Homenagem - por Adão Cruz

 

Abril abriu muitas portas, por uma delas passou o Serviço Nacional de Saúde que, justamente, se enaltece no dia da Liberdade. Nesta data histórica, a Direção do Sindicato dos Médicos do Norte realça a importância de um Serviço Público de Saúde universal e inclusivo, sem o qual não seria possível o combate sem tréguas à epidemia que nos assalta.                                                        

A Direcção do SMN

Homenagem

 Sou médico há 56 anos. Lembro-me de sentir muitas vezes na minha vida profissional, vida que procurei levar o mais eticamente, o mais competentemente, o mais dedicadamente e conscientemente possível, desilusões e mesmo algum sentimento de desonra em pertencer à classe médica. Tudo isto, por comportamentos desviantes dentro da própria classe, dentro da sua especial missão de vida, que feriam o nosso principal tesouro, a dignidade e o profundo sentimento humanista.

Sempre tive e ainda tenho muitos amigos das mais diversas profissões, desde trabalhadores mais humildes até cientistas, empresários, políticos e banqueiros. A todos, de formas obviamente diferentes, nunca os deixei de homenagear com a minha leal e sincera amizade, e com o reconhecimento e admiração por muitos exemplos das suas vidas. Porém, esta pandemia que hoje está a roer a nossa existência individual, familiar e social criou em mim, no meio de todos os males, sentimentos que eu nunca havia experimentado de forma tão emocionada e profunda. Por isso a minha homenagem, nesta altura, a todos os profissionais de todas as áreas, amigos e desconhecidos, não pode caber dentro de limites, pois em situação tão complexa, tão intrincada e tão interactiva, é muito difícil separar os mais importantes dos menos importantes.

Nesta infelicidade que nos bateu à porta, há, no entanto, uma multidão de seres humanos que me levaram, indiscutivelmente, à reconquista de uma honra especial em pertencer à sua classe, a classe médica e o Serviço Nacional de Saúde. Um Serviço Nacional de Saúde, fruto do glorioso Vinte e Cinco de Abril, prestes a ser celebrado, um Serviço Nacional de Saúde que abrange políticos, autoridades sanitárias, administrativos, médicos, enfermeiros, auxiliares e pessoal mais anónimo, todos imprescindíveis ao seu funcionamento e ao seu mais sólido e nobre futuro. A todos a minha homenagem.

Fiz cuidados intensivos há largos anos, quando as unidades de cuidados intensivos começavam a aparecer, de forma muito primária, comparadas com as de hoje. Mesmo assim, senti bem fundo a responsabilidade e a abnegação que elas exigiam. Por isso, não me levem a mal que eu deixe aqui uma homenagem muito especial, acima de todas as homenagens, ao trabalho de todo o pessoal que de uma forma heróica dedica as suas vidas, nestes dias tão negros, à prática intensivista, em Portugal e fora de Portugal. São para mim, sem margem de dúvidas, os Heróis da actualidade, aos quais cada país, depois da vitória, deveria erguer o mais majestoso e merecido monumento. 

20.04.2020

                                                                                     Adão Cruz

Instar os profissionais de saúde a protegerem os doentes dos abusos da Comunicação Social é urgente.

Ler todo o artigo em: https://www.publico.pt/2020/04/14/sociedade/opiniao/dois-minutos-fama-1912028

 

 
 
 

EU privacy directive